Viabilidade de sementes de espécies de interesse para recuperação de áreas mineradas em Carajás-PA

Autor(es): COSTA, Deborah Luciany Pires
Resumo: O conhecimento sobre a propagação sexuada de espécies vegetais de ocorrência na Floresta Nacional de Carajás é indispensável para definições de estratégias na recuperação de áreas degradas em função da atividade mineral executada pela empresa Vale S.A na região. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi analisar a viabilidade de sementes de espécies de interesse para recuperação de áreas degradas em Carajás, Pará. Para tanto foram analisadas os lotes de 15 espécies de ocorrência em Carajás, que foram: Apeiba tibourbou; Bauhinia; forficata; Bauhinia longipedicellata; Bauhinia pulchella; Casearia decandra; Dioclea virgata; Lepidaploa arenaria; Lepidaploa muricata; Mimosa acutistipula; Mimosa camporum; Mimosa pudica; Parkia platycephala; Solanum crinitum; Stryphnodendron pulcherrimum e Vernonia ferruginea. Foi utilizado os métodos do RAS (MAPA, 2009), em que foi avaliado a pureza, biometria, imageamento por raio-X, germinação inicial, superação de dormência (ácido sulfúrico, água quente e desponte de tegumento), temperatura de germinação, teste de tetrazólio e classificação quanto a umidade ao armazenamento (ortodoxas e recalcitrantes). Os resultados mostraram que as espécies Casearia decandra, Lepidaploa arenaria, Lepidaploa muricata e Vernonia ferruginea apresentaram baixos níveis de qualidade física. Todas as sementes apresentaram dormência, em que os tratamentos de melhor êxito e respectivo valor de germinação alcançado foram: P. platycephala, desponte (98%); D. virgata, desponte (94%); M. pudica, ácido 10 min (91%); B. forficata, desponte (88%); S. pulcherrimum, desponte (82%); M. camporum, ácido 10 min (81%); B. pulchella, ácido 5 min (75%); M. acutistipula, água a 80°C (74%) e B. longipedicellata, desponte (72%). As espécies A. tibourbou e S. crinitum não apresentaram resultados satisfatórias nos tratamentos de quebra de dormência. A temperatura de germinação para todas as espécies variaram entre 20 e 30°C. Quanto ao valor cultural (VC), as espécies que se destacaram foram P. platycephala e D. virgata como os maiores valores, atingidos nos tratamentos com água a 100°C e desponte do tegumento. A viabilidade por meio do teste de tetrazólio foram em todas as espécies avaliadas superiores a 50 %, com destaque as espécies M. pudica (91% de emissão de plântulas normais), M. acutistipula (86% de emissão de plântulas normais) e M. camporum (84% de emissão de plântulas normais). Todas as espécies foram classificadas como sementes ortodoxas.
Ano: 2017
Páginas: 57 f.
Ano de publicação: 2017
Orientação: Antonio Eduardo Furtini Neto, Dr.
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais