Satisfação das comunidades da Estrada de Ferro Carajás (EFC)

Autor(es): BELATO, Leoni de Souza
Resumo: Ao longo dos séculos, filósofos e pessoas comuns refletiram sobre o tipo de vida que vale a pena viver. Desse modo, o tema felicidade tem perpassado diversos campos do saber humano e tem proporcionado debates acalorados entre acadêmicos, mas a realidade é diversa e ultrapassa os muros da academia. Por isso, a pesquisa de campo é importante para avaliar os degraus que envolvem o tema da felicidade humana, desde a análise de bem-estar objetivo, de cunho utilitarista, ao entendimento subjetivo, cujo teor repousa em critérios de imaterialidade das coisas e reflete assim, toda a gama de coisas que tornam a vida digna de viver. Por outro lado, morar ao longo da Estrada de Ferro Carajás (EFC) se presume que a família, vivendo em comunidade, não tem o direito pétreo de usufruir do bem-estar, seja objetivo ou subjetivo, e viver com dignidade. Por isso, a proposição desta pesquisa foi analisar a percepção das famílias quanto à satisfação com a vida na comunidade e inferir quais os fatores que podem explicar estatisticamente o quão satisfeito estão por morar ao longo da estrada de Ferro Carajás. Em escala estilo Likert, sendo 1 pouco satisfeita e 5 muito satisfeita, o indicador médio foi de 3,85 pontos, cujos fatores são: escolaridade, renda, ruído, ferrovia, moradia, religião, tranquilidade e relações.
Ano: 2019
Páginas: 59 f.
Ano de publicação: 2019
Orientação: José Aroudo Mota, Dr.
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais