Risco social para o negócio da mineração na Amazônia oriental: o caso do território da estrada de ferro Carajás.

Autor(es): GANDRA, Amanda Lorenna Feio; SANTOS, Jorge Manuel Filipe dos; MATLABA, Valente José.
Resumo: O sudeste paraense é uma região marcada pelo desenvolvimento da indústria mineral desde a execução do Projeto Grande Carajás, no qual a região foi intensamente alterada territorial, econômica e demograficamente. A aceitação dos projetos minerais pelos seus diversos stakeholders é vista atualmente como fator preponderante para o progresso da indústria, métodos tradicionais de comunicação estão sendo desvalorizados e medidas que visam o aumento dos níveis de confiança e credibilidade dos empreendimentos estão crescendo. O aumento da aceitabilidade social da indústria mineral acarreta em redução dos conflitos e situações de tensão social, que podem gerar riscos para os negócios, o risco social. Para avaliar o risco social no sudeste paraense, foram levantadas 31 variáveis socioeconômicas dos municípios na área de influência do empreendimento, que consiste nas minas, ferrovia e porto. Foram gerados modelos de regressão linear múltipla tendo como variáveis dependentes o número de ameaças e interdições à operação mineral nos municípios. O modelo que melhor se adequou aos dados foi o que considerou a soma de ameaças e interdições e possuiu seis variáveis como significativas na eclosão desses eventos. A variável que se mostrou com maior peso foi o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal, apresentando coeficiente negativo, indicando que territórios onde o progresso nas diversas áreas (emprego e renda, saúde e educação) é sentido, são reduzidos os números de eventos conflituosos. Outras variáveis, como os abalroamentos, atropelamento de animais e vandalismo econômico também apresentaram coeficientes positivos significativos no modelo, sinalizando que os acidentes e incidentes que ocorrem nas áreas de influência do empreendimento impactam no aumento do risco social ao qual o empreendimento está exposto. De forma análoga ao desenvolvimento municipal, a variável densidade demográfica apresentou parâmetros positivos, apontando que a desordenada ocupação do espaço pelo crescimento populacional pode aumentar os eventos indesejados pela indústria. O percentual de aposentados das populações municipais também se mostrou significativo para os eventos de ameaças e interdições, em geral essas populações apresentam maior apego ao território e são mais resistentes a mudanças. As medidas de controle e prevenção de eventos indesejados são especificas para cada um dos fatores aqui identificados como significativos para o risco social. A partir da identificação desses fatores chave, é indicado a construção de um banco de dados denso e confiável acerca das situações de ameaças e interdições para a aplicação de metodologias de quantificação do risco social. O objetivo deste estudo é a redução das perdas operacionais relacionadas às situações de interdições e melhora da imagem, reputação da indústria mineral.
Ano: 2020
Páginas: 38 p.
DOI: 10.29223/PROD.TEC.ITV.DS.2020.03.Gandra