Relatório e base de dados com identificação dos espécimes de 2500 espécimes de floresta da FLONA de Carajás.

Autor(es): ZAPPI, Daniela C. et al.
Resumo: A Amazônia ocupa uma área de aproximadamente 6 milhões de km2 sendo representada por tipos de vegetação predominantemente florestais. A diversidade dessas florestas é imensa, e um levantamento recente aponta para a presença de mais de 14.000 espécies de plantas somente para áreas de florestas de terras baixas. Das 12.000 espécies descritas para a Amazônia existem apenas dados pontuais relativos, e, apesar da atividade de mais de 700 taxonomistas estudando a Flora do Brasil, a Amazônia ainda é uma região carente de estudos florísticos, pois a sua extensão, dificuldade de acesso e a história relativamente recente da investigação científica resultam numa situação de baixa densidade de coletas. A procura de maneiras de utilizar de modo sustentável os recursos naturais ganha relevância e urgência em face ao crescimento populacional, uso de recursos naturais finitos, a necessidade de otimizar processos e o quadro de globalização atual, num momento histórico conhecido atualmente como Antropoceno. Dentro desse contexto, a Floresta Amazônica ainda representa uma das últimas fronteiras tanto do conhecimento como de possibilidades para a sustentabilidade, representando uma grande fonte de recursos abióticos e bióticos que, sem a devida proteção, irão se esgotar sem que tomemos conhecimento da sua vastidão. Capital Natural é um conceito central na discussão dos impactos de ordem antropogênica, que procura definir o estoque de recursos naturais que potencialmente originaria um fluxo de bens e/ou serviços, ou mesmo o conjunto de elementos naturais que produz valor para as pessoas de maneira direta ou indireta. O conhecimento das espécies florestais da região de Carajás e de suas interações pode abrir novas perspectivas para a população local. Existe algum conhecimento relativo à biomassa das espécies lenhosas na região, porém ainda não existe um levantamento preciso e completo de todas as espécies de plantas que ocorrem nas florestas da região. O presente relatório tem como objetivo principal fornecer informações botânicas preliminares para avaliar o capital natural florestal da região de Carajás, focalizando nas formações florestais encontradas nas terras baixas. Considerando os espécimes coletados antes de 2018 (ou seja, antes de iniciar este projeto), contamos com uma grande quantidade de coletas depositadas no herbário MG (2600), no BHCB (1680) e no HCJS (1218). No presente momento temos as identificações para 1671 espécimes, consistindo em 736 espécies conferidas com vouchers associados, contribuindo para registrar a biodiversidade da floresta e compreender os serviços ecossistêmicos. O conhecimento autoritativo sobre as espécies de plantas que ocorrem na floresta ao inventariar tanto o recurso madeireiro e não madeireiro presente na região, assim como o entendimento das espécies animais e sua ecologia são de alta relevância para a manutenção de importantes
redes interativas no âmbito da região de Carajás.
Ano: 2020
Páginas: 32
DOI: 10.29223/PROD.TEC.ITV.DS.2019.19.Zappi
Tipo de relatório: Relatório parcial
Link para o PDF: Clique aqui