Qualidade de águas superficiais e sedimentos de corrente na Bacia Hidrográfica do Itacaiúnas, Sudeste do Pará

Autor(es): TEIXEIRA, Andreya Jesus Dias
Resumo: O ciclo biogeoquímico dos minerais depende da influência sazonal e das alterações antrópicas da área. O conhecimento de parâmetros ambientais da água e sedimentos e características físico-químicas e socioambientais da região fornecem elementos de análise para verificação do nível de impactos e alterações promovidas na área estudada. O presente trabalho visa entender os impactos ambientais da mineração de níquel e cobre nas águas superficiais e sedimentos, localizados na bacia do Itacaiúnas. Foram analisadas as características químicas das amostras de águas superficiais e de sedimentos na bacia do Itacaiúnas, onde avaliou-se o processo geoquímico que controla a química elementar, a distribuição de metais, o enriquecimento e a qualidade ambiental. Os resultados mostram que a qualidade da água varia significativamente entre as estações. A turvação e as concentrações de coliformes, DBO, DQO, TOC, Fe, Al e TP são maiores no período úmido do que o período seco. Com poucas exceções, os parâmetros físico-químicos e microbiológicos na água analisada são consistentes com a água de classe 2 da Resolução CONAMA 357/05. Na água, entre os metais, apenas as concentrações de Al (d), Fe (d), Cd e Mn excederam os padrões legais (Resolução CONAMA 357/05) e as maiores concentrações foram registradas nos pontos ASP64 e CI03. Em comparação com as amostras de background, o resultado indica que os valores acima são possivelmente controlados por processos naturais, principalmente à intempéries, com exceção de ASP64 e CI03 que são mais provavelmente influenciados pelas atividades de mineração. O alto resultado do pH e a baixa concentração de SO42-, Cl- e a maioria dos oligoelementos tóxicos estudados, sugerem influência insignificante das atividades de mineração em sua abundância, exceto por algumas exceções. A análise PCA revelou que os parâmetros microbiológicos na água são principalmente influenciados por TOC (carbono orgânico total) e TP (fósforo total), enquanto que a concentração de Al, Fe, Mn, Cu e Ni são controlados por óxidos de ferro e possivelmente são provenientes de fontes similares. O diagrama de Piper mostra o domínio das fácies hidro-geoquímicas das misturas de Na-Ca-HCO3- na água. De acordo com o diagrama de Gibbs, a quantidade de íons nas águas superficiais é altamente influenciada pela interação rocha-água. No sedimento de água corrente, as concentrações de metal variaram amplamente: Fe> Mn> Cr> Cu> Ni> Zn> Pb> Cd. Comparando com o nível de efeito de limiar (TEL), nível de efeito provável (PEL) recomendado pela Resolução CONAMA nº344 / 2004, a maioria dos metais nos sedimentos permaneceu dentro dos limites permitidos de TEL (exceto em Cr em vários pontos, Cu em CI03 e P22, e Ni no ASP64) e PEL (exceto Mn em alguns pontos e somente no ASP64). O índice de geo-acumulação (Igeo) revela que os sedimentos não estão contaminados com esses metais. Os fatores de enriquecimento (EF) e os fatores de contaminação (CF) mostram que a maioria dos metais, como Cd, Co, Cu, Ni, Zn e Pb, estão esgotados em sedimentos. As excepções são Cr no ASP64 e ASP02 e Mn no CI03. O índice de carga de poluição (PLI) e o grau de contaminação (Cdeg) indicam que a maioria dos sedimentos tem baixo grau de contaminação, exceto CI03. A análise estatística multivariada sugere que o carbono orgânico e os oxidróxidos de Al / Fe influenciaram as concentrações de metais pesados em sedimentos de água corrente.
Ano: 2018
Páginas: 78 f.
Ano de publicação: 2018
Orientação: Prafulla Kumar Sahoo, Dr.; Renato Silva Júnior, Dr.
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais