Processos de revegetação das áreas impactadas na Estrada de Ferro Carajás

Autor(es): RAMOS, Mariane da Costa
Resumo: O papel exercido pela cobertura vegetal na proteção do solo e das graves consequências resultantes de sua remoção é reconhecido na literatura. De um modo geral, a revegetação é parte do processo de recuperação de áreas degradadas, sendo importante para a proteção e a integridade dessas áreas alteradas. Podem ser utilizados diferentes modelos nos programas de revegetação, visando a recuperação e a manutenção das áreas alteradas. Caso não seja utilizado o método/ técnica e espécies vegetais mais apropriadas para cada tipo de área, observa-se a elevação dos custos com o processo de revegetação, podendo levar à geração de novos passivos ambientais nas áreas objeto de recuperação. Nesse sentido, foram realizados levantamentos de dados bibliográficos de materiais relacionados a degradação do solo e à recuperação com abrangência sobre as técnicas utilizadas no processo de revegetação, incluindo os métodos de manejo do solo e o estudo das espécies vegetais mais apropriadas em cada situação, com ênfase aqueles que podem ser aplicados à revegetação em obras ferroviárias. Paralelamente, foi avaliado o processo de revegetação ao longo da Estrada de Ferro Carajás (nos estados do Maranhão e Pará) e seus respectivos Programa de Recuperação de Áreas Degradadas, objetivando observar e avaliar as técnicas e procedimentos utilizados, seus méritos e deficiências, sendo sua análise conduzida à luz dos conceitos citados na bibliografia. Os materiais avaliados permitiu avaliar a necessidade de um planejamento prévio e detalhado da atividade de revegetação no início da execução das obras, tendo como ponto de apoio um plano de ação estruturado conforme etapas do processo, destacando: (i) a importância de previamente realizar as análises de solo para se determinar especificamente a necessidade ou não da aplicação de insumos (fertilizantes e corretivos), (ii) utilizar sementes de qualidade em termos de pureza, germinação e valor cultural, (iii) o consórcio de espécies de gramíneas e leguminosas devido às suas características morfológicas e fisiológicas que permitem uma rápida cobertura do solo, melhorando suas propriedades, (iv) fazer uso do check-list das atividades executadas para conferir se todas as etapas fundamentais do processo foram cumpridas. Além disso, ressalta-se outras intervenções necessárias para eliminar ou minimizar os processos erosivos ao longo da Estrada de Ferro Carajás, como a efetiva reconformação da superfície dos taludes, a implantação adequada de um sistema de drenagem pluvial e a utilização, em casos específicos de biomanta, que protegem as sementes, mantém o solo úmido e se degrada com o tempo, podendo ser tornar fonte de matéria orgânica para as plantas estabelecidas, essas ações em conjunto reforçam a estabilidade dos taludes. Desta forma, acredita-se que tal estudo poderá ser útil para se buscar maior eficiência nas atividades de revegetação de áreas degradadas por empreendimentos ferroviários.
Ano: 2017
Páginas: 47 f.
Ano de publicação: 2018
Orientação: Silvio J. Ramos , PhD
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais