O técnico de nível médio em uma mineradora no sudeste do estado do Pará: perfil socioeconômico, origem social e estratégia de empregabilidade

Autor(es): MENEZES NETO, João Francisco de
Resumo: Este estudo analisa a relação entre educação profissional, condições sociais e desenvolvimento social. Para tanto, tomou como objeto de estudo os empregados de nível técnico de uma grande mineradora do sudeste do estado do Pará. Objetivou-se analisar se a estratégia de empregabilidade que consistiu em fazer um curso de técnico de nível médio e ingressar numa carreira profissional técnica está associada à sua origem social e se foi bem-sucedida no sentido de melhorar as condições sociais herdadas por estes empregados em relação aos seus pais e familiares. A metodologia do estudo envolveu a realização de um survey, por meio da aplicação de um questionário a estes empregados com questões fechadas e abertas, pesquisa bibliográfica, análise de dados através do uso de instrumentais de estatística descritiva e analítica. Foi realizado o teste de correlação de Pearson para identificar relações entre educação dos genitores e dos empregados entrevistados. Os resultados mostram que a educação profissional, historicamente, é destinada aos membros das classes subalternas das sociedades. No Brasil, esta relação existe desde o período colonial e foi explicitada nas justificativas do projeto que implementou este tipo de educação no sistema de ensino do país no início do século XX. Mostram, ainda, que os empregados entrevistados nasceram em famílias que se enquadram nos padrões sociais das classes subalternas, que conseguiram se destacar em relação aos pais ao conseguir empregos de maior prestígio social, melhor remuneração e maior exigência intelectual. Por fim, mostram que há uma descontinuidade entre o nível de escolaridade dos genitores e a dos entrevistados, o que significa que conseguiram alcançar um nível de capital cultural superior ao que foi herdado da família. Porém, em termos financeiros, apesar de melhor remunerados, não conseguiram superar o patamar da classe C, que ainda é considerada uma classe subalterna e, mesmo em termos culturais, continuam aquém dos requisitos de alta escolaridade que vigoram entre membros das classes médias. Conclui-se que a estratégia de reprodução social destes empregados foi bem-sucedida no sentido de elevar a qualidade de vida e bem-estar social dos mesmos quando comparado às condições herdadas da família; que eles possuem um elevado potencial de legar este estoque de capital cultural e econômico aos seus descendentes e, até mesmo, de os elevar; por fim, que apesar de continuarem como parte dos estratos sociais subalternos da sociedade, a educação profissional atuou como um importante fator de melhoria das oportunidades e condições sociais dos mesmos, o que demonstra a importância deste tipo de educação como fator de desenvolvimento social.
Ano: 2018
Páginas: 87 f.
Ano de publicação: 2018
Orientação: José Aroudo Mota, Dr.
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais