Efeito da sazonalidade climática regional na produção de minério de ferro da Vale em Carajás -Pará

Autor(es): MIRANDA, Josiane Amanda Gomes
Resumo: Neste trabalho, apresenta-se um estudo com abordagem interdisciplinar envolvendo aspectos do clima regional e seus efeitos nas atividades do setor produtivo ligado a indústria da mineração. O objetivo foi investigar a possível existência de relações entre o regime de precipitação anual e sazonal e o volume de produção de minério de ferro (Fe) da Província Mineral de Carajás, no sudeste do Pará. Os resultados das correlações negativas estatisticamente significantes (nível de 10 e 5%) comprovaram que os padrões de clima afetam os volumes anuais da produção de Carajás, sendo que o efeito do regime pluviométrico do primeiro e segundo semestre responde de forma inversa ao volume anual de produção mineral. Os anos com excesso (déficit) de chuva sazonal tendem a se correlacionar com aqueles de baixa (alta) produtividade do minério. Foi desenvolvido um modelo estatístico de regressão para estimar a produção de minério a partir da precipitação sazonal do primeiro e segundo semestre, sendo que as simulações foram compatíveis com a produção mineral registrada em Carajás de 2006 a 2016. Em seguida, a equação do modelo foi usada para estimar a produção de minério considerando as projeções de precipitação sazonal em Carajás do downscaling RegCM4 para o clima futuro, o qual indicou aumento leve (+5 a +9%) na precipitação do regime chuvoso (primeiro semestre) e diminuição moderada (−8 a −21%) no volume da chuva do regime menos chuvoso (segundo semestre). Os resultados do modelo estatístico apontaram grandes variações anuais no volume de minério Fe com ciclos de mínimos em torno de 2018 e 2023 e de máximos em torno de 2020 e 2026. Considerando as médias na escala decadal, o modelo apontou queda leve na produção de minério Fe, tal que o volume médio de 106.781 Mt (registrado em 2006_2016) diminui para 101.189 Mt (simulado para 2017_2026) e para 95.365 (simulado para 2027_2036), cujos percentuais de mudança são da ordem de -5% e -11%, respectivamente. Portanto, diante dos resultados obtidos, recomenda-se especial atenção da Vale com os efeitos do regime chuvoso mais intenso quando Carajás comumente apresenta menor volume de produção mineral (primeiro semestre). No regime menos chuvoso espera-se menor impacto do clima na produção mineral, o que pode ser aproveitado para planejar a intensificação das operações de mina, de forma a compensar o efeito negativo do primeiro semestre.
Ano: 2016
Páginas: 33 f.
Ano de publicação: 2016
Orientação: Everaldo Barreiros de Souza, Dr.
Link para o PDF: Clique aqui
Curso: Mestrado em Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais