Cenários de mudanças climáticas nas áreas operacionais internacionais da Vale tendo em vista a análise dos riscos: projeções para Moçambique no horizonte de 2020 a 2050

Autor(es): COSTA, Cláudia Wanzeler da; FERREIRA, Douglas da Silva; TEDESCHI, Renata Gonçalves
Resumo: As atividades a céu aberto da VALE são expostas frequentemente às condições meteorológicas adversas, que afetam direta ou indiretamente alguns dos processos da cadeia mineral como o transporte e embarque do produto, ocasionando em perdas materiais e até colocando em risco vidas humanas. Este trabalho fornece cenários de mudanças climáticas para o horizonte de 2020 a 2050, com relação à média de 1981 a 2005, sobre Moçambique, destacando seus impactos sobre as áreas de operação da VALE. Foram obtidas as médias mensais de precipitação (mm/mês) e temperatura (°C/mês) do modelo regional RCA4 aninhado ao modelo global HadGEM2-ES, para o cenário historical (1981 a 2005) e para os cenários de emissão do IPCC: RCP4.5 e RCP8.5, dos quais se obteve as médias trimestrais: DJF (dezembro a fevereiro), MAM (março a maio), JJA (junho a agosto) e SON (setembro a novembro). Avaliou-se, também, a acurácia do modelo regional, comparando-o com as observações provenientes do Climate Prediction Centre (precipitação) e do Climate Research Unit (temperatura) no período de 1981 a 2005. Os resultados mostraram que o RCA4 apresentou bom desempenho em simular a precipitação trimestral no Corredor de Nacala, exceto em SON sobre Nampula e Nacala, onde o modelo superestima entre 50 e 100mm a precipitação do trimestre. Porém, não mostrou bom desempenho em simular a temperatura, subestimando-a em 2ºC ao longo do Corredor de Nacala, principalmente sobre a mina em Moatize. As projeções do RCA4, com relação à média de 1980 a 2005, são de aumento da precipitação em DJF, trimestre chuvoso, em ambos os cenários climáticos (RCP4.5 e RCP8.5), principalmente na região central de Moçambique, podendo estar associado ao aumento na frequência de eventos extremos causados por sistemas meteorológicos de grande escala como a Zona de Convergência Intertropical ou mesmo pelo aumento da frequência e/ou intensidade de Ciclones Tropicais que atingem esta região. Este cenário pode impactar negativamente no embarque do produto, uma vez que é perigoso o descontrole da água no navio, além de reduzir a qualidade do mesmo. Quanto à temperatura, de acordo com os cenários de emissão (RCPs), haverá elevação da temperatura sobre o Corredor de Nacala, e isto pode implicar no aumento da evapotranspiração e desencadear estresse hídrico na região.
Ano: 2019
Páginas: 28 p.
DOI: 10.29223/PROD.TEC.ITV.DS.2019.30.Costa
Ano de publicação: 2019
Link para o PDF: Clique aqui