Avaliação do potencial para diversificação socioeconômica dos territórios em Canaã dos Carajás, Parauapebas, Curionópolis, Ourilândia do Norte e Tucumã, com vista a prospecção de novos negócios e identificação de potenciais empreendedores

Autor(es): SANTOS, Jorge Filipe dos. et al.
Resumo: A presente pesquisa tem como objetivo analisar o perfil das economias e dos agentes econômicos para a prospecção de novos negócios nos municípios de Canaã dos Carajás, Parauapebas, Curionópolis, Ourilândia do Norte e Tucumã, por meio da avaliação de seus potenciais para diversificação socioeconômica. Esta avaliação foi feita por meio da identificação dos principais fatores indutores, da estrutura socioeconômica existente, das potencialidades locais e do perfil do empreendedor nestes municípios. O estudo justifica-se pelo fato de que os minérios são recursos finitos, sendo necessário usar a riqueza gerada pela mineração para fortalecer as economias locais e diminuir a sua dependência dessa atividade. A metodologia da pesquisa foi organizada nas seguintes etapas: análise da histórica econômica da região; estabelecimento do referencial teórico-conceitual; análise de dados obtidos em fontes oficiais e dos fatores indutores, conjuntamente com estrutura socioeconômica dos municípios. Também foi computado o índice de concentração econômica com base nos dados de emprego formal por setor das referidas fontes oficiais. Para aprofundar o conhecimento das economias locais e obter subsídios para a prospecção de novos negócios e possíveis alternativas para diversificação, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com os stakeholders dos cinco municípios por meio de uma pesquisa de campo, realizada em outubro de 2019. Uma amostra de 598 stakeholders foi estratificada em representantes do poder público, de empresas, do terceiro setor e de empreendedores e especialistas na área do empreendedorismo nesses municípios. Foi solicitado aos stakeholders que apontassem atividades econômicas existentes com potencial de desenvolvimento ou novas atividades com possibilidade de sucesso no município, além da mineração. Para caracterizar o perfil empreendedor local, adaptou-se a metodologia do SEBRAE para a avaliação das competências empreendedoras, com base em 16 conceitos e comportamentos relacionados à gestão e empreendedorismo. Foi solicitado aos empreendedores que respondessem, em uma escala de 1 a 25, sobre traços comportamentais de si mesmos, sendo 1 referente às características comportamentais mais fracas e 25 às características mais fortes. Pediu-se aos especialistas que avaliassem o empreendedorismo local com base nas mesmas características. Para complementar esta análise, foi medido o grau de coesão social. Pediu-se aos stakeholders – governamentais, sociedade civil e empresariais – que medissem numa escala likert (nota de 1 a 5) o nível de informação sobre diversificação econômica e a opinião sobre confiança e facilidade de relacionamento entre eles e os demais stakeholders locais. As principais conclusões são de que as iniciativas agrícolas, agroindustriais e de serviços ainda operam com baixa tecnologia e com restrições; o baixo nível de coesão social identificado nos municípios impacta negativamente o potencial de empreendedorismo no território; e o perfil do empreendedor local assinala para a necessidade de melhor orientá-los para o aproveitamento das oportunidades de negócio existentes. Diante deste quadro, os principais encaminhamentos sugeridos são desenvolver o Ensino Superior e Técnico na região; identificar potenciais arranjos produtivos locais; formar Centros de Desenvolvimento Regionais fomentando a sinergia econômica; fortalecer cooperativas e associações produtoras locais inserindo-as em cadeias produtivas; implementar projeto de capacitação de empreendedores locais e fortalecer redes de canais de informação, debates e negociações entre os agentes locais.
Ano: 2020
Páginas: 217 p.
DOI: 10.29223/PROD.TEC.ITV.DS.2020.06.Santos
Ano de publicação: 2020
Link para o PDF: Clique aqui