04/04/2018

Instituto Tecnológico Vale capacita profissionais na África

A área de ensino do Instituto Tecnológico Vale (ITV) começou a dar seus primeiros frutos fora do Brasil. Com o objetivo de contribuir para a maior qualificação da mão de obra local em Moçambique, o ITV formou a primeira turma de Aperfeiçoamento no país, capacitando 20 empregados da Vale em Planejamento, Operação de Lavra e Tratamento de Carvão. Outra iniciativa em andamento é o Mestrado Profissional em Lavra de Minas e Processamento Mineral, que conta com 16 profissionais em formação, sendo três empregados da Vale e 13 do ISPT (Instituto Superior Politécnico de Tete), com o qual o ITV estabeleceu uma parceria.

Como resultado, Moçambique ganhou um time de profissionais que contribuirão para melhorar os resultados da Vale. “Outro ganho é o reconhecimento do país como referência na produção de carvão em grande escala e de boa qualidade”, afirmou Carlos Isidoro, empregado da área de Recursos Humanos da Vale na África.

Emidia Celsa Sengo, supervisora interina de Desmonte e ex-aluna do curso de Aperfeiçoamento, relata que agora sente-se mais preparada para executar as atividades inerentes à otimização de processos em sua área. Já o engenheiro de Controle da Qualidade Telmo Costa conta que “os conhecimentos ministrados proporcionaram maior valor à experiência que adquirimos no dia a dia nos nossos postos de trabalho”.

O que é o curso de Aperfeiçoamento?

O objetivo do curso foi proporcionar aos participantes uma visão geral sistêmica da cadeia produtiva do carvão, além de uma visão específica nas operações de lavra e processamento mineral, com foco na qualidade do produto final. Com carga de 180 horas, o curso aconteceu nas instalações da Valer, em Tete, Moçambique, e contou, no seu corpo docente, com instrutores do ITV, profissionais da Vale no Brasil e Moçambique, além de professores convidados.

E o mestrado?

Segundo Sandoval Carneiro, Pró-Reitor de Ensino do ITV, o curso de mestrado em Moçambique busca atender à política da Vale de dar preferência à contratação de pessoal local para o desenvolvimento de seus projetos no país africano, onde a empresa possui o projeto Moatize. A iniciativa possibilita que o ISPT passe a contar, em seu quadro docente, com professores mais capacitados na área de Engenharia de Minas, cabendo destacar que é o primeiro curso de Mestrado nesta área em Moçambique. ​