18/10/2018

Iniciativa mapeia três décadas de mudanças na ocupação territorial do Brasil

O ITV é co-criador do MapBiomas, uma iniciativa multi institucional envolvendo universidades, ONGs e empresas de tecnologia que se uniram para contribuir com o entendimento das transformações do território brasileiro a partir do mapeamento anual da cobertura e uso do solo no Brasil.

No mês de agosto, o projeto lançou a terceira coleção, um conjunto de dados de mapeamento que permite investigar a ocupação territorial de qualquer parte do Brasil, ano a ano, desde 1985. A ferramenta é pública, gratuita e de acesso livre.

Os pesquisadores do ITV Desenvolvimento Sustentável, no Pará, colaboraram com o trabalho analisando a dinâmica do uso da terra na Zona Costeira Brasileira.

“Esse é o mapa mais detalhado sobre a ocupação da terra já feito. Elaboraram mapas anuais de cobertura e uso da terra para cada ano DE 1985 À 2017 com resolução de 30 metros, a partir do processamento e interpretação de imagens dos satélites da série LandSat na plataforma Google Earth Engine. O que permite uma viagem no tempo e a possibilidade de enxergar a história do Brasil nas últimas três décadas, mostrando o que aconteceu em pixels de 30 x 30 metros”, explica Pedro Walfir, pesquisador titular do Grupo de Tecnologia Ambiental do ITV, que liderou o trabalho pelo instituto.

Os dados estão disponíveis no site www.mapbiomas.org. As ferramentas de navegação do site permitem explorar o mapa do Brasil e criar visualizações temporais de dados para estados, municípios, unidades de conservação, terras indígenas e outros recortes territoriais.


Alguns destaques:

O projeto permitiu constatar com alta precisão diversas mudanças no período 1985-2017*:

◾ O Brasil teve perda líquida de 71 milhões de hectares de vegetação nativa, o equivalente a SP, PR, RJ e ES somados (a perda líquida é a perda total com a recuperação subtraída)

◾ A área de agricultura quase triplicou neste período (cresceu 2,9 vezes), e a área de pecuária cresceu 43%

◾ A Mata Atlântica, bioma com 56% da área urbana do país, teve perda líquida de 5 milhões de hectares de floresta; nos últimos 10 anos a regeneração superou o desmate

◾ O bioma que viu a maior proporção de sua área de vegetação nativa sumir foi o Cerrado, com 18% de perda líquida

◾ A Amazônia perdeu a maior área (líquida) de floresta no período: 36 milhões de hectares

◾ Outros biomas tiveram também perda líquida: Pampa (-15%), Caatinga (-8%) e Pantanal (-7%)

 

*Com informações do MapBiomas